Conselheiro do TCM teria recebido propina entre os anos de 2013 e 2015 para aprovar contrato fraudulento entre Prefeitura de Parauapebas e quadrilha investigada pela PF

A Polícia Federal realiza desde o início da manhã desta terça-feira (23) a “Operação Nibelungo”, uma ação de busca e apreensão no gabinete de Aloisio Chaves no Tribunal de Conta dos Municípios (TCM), como parte do desdobramento da “Operação Timóteo”, que prendeu o advogado Alberto Lima da Silva Jatene, o “Beto Jatene”, filho do governador Simão Jatene.

Segundo investigação da PF, Aloisio recebeu cerca de R$ 2,8 milhões em transferências ilegais, entre os anos de 2013 e 2015, para elaborar um parecer que aprovou um contrato fraudulento entre a prefeitura de Parauapebas e a quadrilha investigada na operação.

No segundo semestre do ano passado, Beto realizou duas impressionantes movimentações de dinheiro que totalizaram R$ 13 milhões em pagamentos à BB Corretora de Seguros e Administradora de Bens S.A. O fato chamou a atenção do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (COAF), do Ministério da Fazenda.

Em fevereiro de 2017, Beto Jatene foi indiciado pela Polícia Federal (PF) por corrupção passiva, lavagem de dinheiro e participação em organização criminosa, porque teria recebido propina de uma quadrilha que desviava royalties da mineração. Em dezembro de 2016, ele chegou até a ser preso pela Operação Timóteo, que desarticulou essa quadrilha.

OPERAÇÃO ‘NIBELUNGO’ – COMO FUNCIONAVA?

A operação Timóteo, deflagrada em dezembro de 2016, foi iniciada pela Polícia Federal a partir de uma denúncia da Controladoria Geral da União que apontava incompatibilidade na evolução patrimonial de um dos diretores do Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM).

Foi no decorrer das investigações em relação a esse diretor que a PF descobriu uma complexa organização criminosa dedicada a um esquema de corrupção e fraudes para a cobrança judicial de royalties de exploração mineral.

O esquema se dividia em quatro núcleos:

Núcleo Captador – formado pelo diretor do DNPM e sua mulher, que realizava captação de prefeitos interessados em ingressar no esquema;
Núcleo Operacional – composto por escritórios de advocacia e uma empresa de consultoria em nome da esposa do Diretor do DNPM, que repassava valores indevidos aos agentes públicos;
Núcleo Político – formado por agentes políticos e servidores públicos responsáveis pela contratação dos escritórios de advocacia, integrantes do esquema;
Núcleo Colaborador – que se responsabilizava por auxiliar na ocultação e dissimulação do dinheiro.

 

 

Fonte: (Diário do Pará Online, com informações da PF)

Comments

comments

Login

Welcome! Login in to your account

Remember me Lost your password?

Lost Password