O cabeleireiro que matou a namorada Maria dos Santos Gaudêncio, 52 anos, chegou a Brasília escoltado pela Polícia Civil do Distrito Federal nesta quarta-feira (27). Os policiais transportaram Antônio Alves Pereira do Maranhão, onde estava escondido. Segundo os investigadores, ele confessou o crime.

Antônio Alves, de 50 anos, será apresentado à Justiça do DF e vai responder por feminicídio. Ele foi localizado e preso na segunda-feira (25) em Santa Quitéria, no Maranhão.

Alves, segundo a polícia, assassinou Maria com um golpe na nuca, dentro da casa dela, no Itapoã. Depois do crime, ele pediu demissão para o dono do salão onde trabalhava dizendo que havia ganhado na loteria (veja abaixo), e saiu do Distrito Federal.

 

 

Questionado sobre o prêmio, o cabeleireiro disse aos policiais que perdeu o bilhete depois de colocá-lo no bolso de uma calça que foi lavada.

A morte de Maria ocorreu no domingo (17), mas o corpo só foi encontrado na terça (19) pela filha da vítima. O caso foi 6º feminicídio registrado pela Polícia Civil do DF neste ano.

Segundo a delegada-chefe da 6ª DP, Jane Klebia, Antônio disse que matou a namorada por ‘legítima defesa’. No entanto, conforme a policial, ele entrou em contradição várias vezes durante o depoimento. A suspeita é de que o crime tenha sido cometido por ciúmes.

 

 

Bilhete premiado

A morte de Maria dos Santos Gaudêncio foi no domingo (17). Na segunda-feira (18), Alves pediu demissão por mensagem pelo Whats App, dizendo que havia ganhado na loteria.

A mensagem foi uma das pistas seguidas pela Polícia Civil que colocou Alves como principal suspeito pela morte da namorada. Pelo telefone, ele chegou a mostrar parte do suposto bilhete de loteria premiado para o dono do salão onde trabalhava.

 

Conversa do acusado com o patrão, antes de fugir

 

Questionado pelo patrão, ele explicou que não havia conferido o resultado do jogo feito na semana anterior, por isso não sabia antes. Disse ainda que tinha deixado a chave de casa, doado as roupas e a máquina de cortar cabelo – e que iria embora.

Comments

comments